Museu da Fundação Cupertino de Miranda
 

EngÂș João Carlos Sobral Meireles (fundamentalmente obras de artistas surrealistas portugueses), acervo sucessivamente enriquecido com outras aquisições gratuitas e onerosas de espólios ou de obras particulares, de que se destacam as colecções de Cruzeiro Seixas e Mário Cesariny.
Pelas características específicas dos seus fundos artísticos, a Fundação Cupertino de Miranda decidiu privilegiar a incorporação e exposição de obras e autores ligados ao Surrealismo e à tradição em que os surrealistas explicitamente se reconheceram (aquela tradição a que Octávio Paz chamou “da ruptura” , Apollinaire e Guilllermo de Torre apelidaram como tradição “da aventura” e Ernesto Sampaio qualificou como “a única real tradição viva”), e para isso criou o Centro de Estudos do Surrealismo, que para além

1|2|3|4|5|6|7|8|9|10|11